[ editar artigo]

Será que seu produto é totalmente sustentável?

Será que seu produto é totalmente sustentável?

O objetivo desse texto é trazer a seguinte reflexão a vocês. Quando pensamos em sustentabilidade da empresa, da cadeia de suprimentos e do produto, por que muitas vezes não pensamos nos pontos negativos?

Há pouco tempo fui com minha namorada comprar areia de higienização para os gatinhos dela. Compramos uma areia que era biodegradável, porém depois percebemos que ela não poderia ser descartada pelas vias usuais de saneamento. Ou seja, o descarte deveria ser feito no lixo comum.

Portanto, toda a vez (frequência praticamente diária) que tivermos que limpar a areia dos gatos, teremos que usar um saquinho plástico para recolher e descartar.

Do ponto de vista do consumidor, esse produto não é ideal já que dificulta o descarte que estava sendo feito anteriormente com os outros produtos.

Do ponto de vista ambiental, o produto também não é ideal já que, por mais que seja biodegradável, usamos um saco plástico para recolher a areia e os dejetos e o saco plástico, mesmo que seja biodegradável, demorará anos para se decompor.

Esse tipo de reflexão sobre os pontos negativos talvez seja até mais essencial do que o que se traz de benefícios com os produtos. Por quê? A reflexão vai te dar mais perspectivas dos riscos e problemas da empresa, da sua cadeia de suprimentos e de seus produtos.

Por exemplo, de que adianta produzir roupas com materiais sustentáveis se muitas vezes produtores utilizam trabalho escravo para produzi-las? Essa é uma das grandes frentes que tem se discutido na questão de sustentabilidade da indústria têxtil. As empresas não podem simplesmente falar que a roupa é sustentável apenas porque usam materiais naturais ou mais sustentáveis que outros se ainda há problemas sociais e ambientais na cadeia de suprimento.

Quando estava cursando meu MBA na Universidade de Cornell, uma das aulas mais interessantes que tive foi sobre Design de tecnologias para impacto social. O curso me deu uma outra visão de como devemos refletir sobre a criação de produtos e tecnologias.

Um dos casos discutidos foi o da criação de um notebook sustentável para se usar em escolas africanas, em que se usava energia solar para carregar a bateria do equipamento e as peças eram muito mais sustentáveis e econômicas do que os computadores padrão da época. O custo do produto então era um pouco mais baixo e o seu uso era mais eficiente.

O que os projetistas não pensaram foi no ambiente externo ao produto: esses países africanos têm uma infraestrutura boa para manter os computadores funcionando com internet para que o ensino nas escolas não seja prejudicado? Geralmente não. As escolas e os alunos têm dinheiro suficiente para comprar e manter um equipamento desses bem conservado ao longo dos anos? Provavelmente não. As escolas talvez tivessem dinheiro para comprar um ou outro equipamento, mas não o suficiente para manter um sistema de ensino com vários estudantes.

De qualquer modo, este projeto dos computadores foi importante pela inovação que trouxe. Hoje muitos computadores e notebooks são produzidos com os princípios utilizados nesse projeto da África, já que trouxe muitos ganhos de eficiência e sustentabilidade.

Portanto, é importante refletir sobre os pontos positivos e negativos que os produtos e tecnologias têm e possam ter na cadeia de suprimentos e no uso pelos consumidores. Voltando ao exemplo inicial, não iremos mais comprar aquela areia dos gatinhos, vamos encontrar uma que seja melhor, de uso fácil e sustentável, e a empresa está perdendo um cliente.

Quando houver um produto que seja sustentável por completo, desde a sua concepção, até seu consumo e descarte, isso atrairá mais clientes e consumidores, e teremos um mundo mais sustentável.

Rede Sustentaoquê?
Ler conteúdo completo
Indicados para você