[ editar artigo]

Farmacinha comunitária Filhas da Esperança

Farmacinha comunitária Filhas da Esperança

Fiquei procurando uma foto que representasse bem o projeto que vou apresentar hj nesse texto, uma foto que chamasse atenção e vcs parassem pra ler, queria que esse post chegasse a toda minha rede, mas sei que não vai. Só espero de 💚 que mais pessoas conheçam iniciativas como esta, porque estou aqui hoje pra falar sobre um projeto que é um exemplo de como a sociedade pode se reorganizar na busca pelo #bemviver e como as mulheres são protagonistas desta transformação. Também poderia falar sobre essa iniciativa, pelo viés do #sagradofeminino e a ligação das mulheres com a natureza e como, através dos tempos, fomos sendo julgadas e condenadas por bruxaria, pela simples busca por autonomia do próprio corpo e da sociedade patriarcal que sempre nos cercou. Também poderia falar pelo viés das #pancs e do #ecossocialismo mas na verdade é tudo isso junto!

A farmacinha comunitária foi criada em 1991, pela dona Rafinha, na cidade de Maquiné (RS) e logo depois foi introduzida ao Movimento das mulheres camponesas (MMC) e se expandiu para um total de 70 farmácias, por 23 municípios do país, isso até o ano de 2001. Não achei informações sobre a situação atual, mas não dá pra saber, mesmo diante dos esforços de tentar manter a iniciativa viva, se essas mulheres estão conseguindo fazer com que as mais jovens se interessem em manter as farmácias, pois há uma tendência por abandonar, conforme as integrantes mais novas se rendem aos remédios da indústria farmacêutica, e têm suas vidas cada vez mais atarefadas, a ponto de não poderem colaborar com a produção dos remédios que são feitos uma vez por semana, quando todas as mulheres se reunem pra trocar as ervas de seus quintais e colhidas na mata, pra fazer as infusões de elixir, pomadas e xaropes, que servem para o tratamento de doenças onde não é necessário intervenção médica, como xarope pra gripe por exemplo.

Lá em 1991, no início do projeto, as mais velhas contam como foi difícil: os maridos as seguiam à espreita, só para ouvir o que elas falavam nas reuniões, e contam como foi dificil saírem de suas casas para se encontrar, pois esse era um hábito restrito aos homens da comunidade, elas se limitavam a encontros sociais, sempre com a presença dos maridos, então, quando houve essa ruptura com as tradições, foram alvo de calúnias e do machismo dos proprios maridos, é claro. Mas elas persistiram e criaram esse projeto empoderador, que deu a elas autonomia, tanto dos maridos, pois elas passaram a entender que podiam sair sozinhas, trocar suas experiências entre mulheres, entenderam que isso era #feminismo e então, que todas elas eram feministas! Entenderam que não precisavam de dinheiro pra comprar remédios caros, e que na mata estava sua independência de um sistema opressor, que nao lhes dava voz, e ao invés disso, as silenciava. Elas tornaram muitas outras mulheres autonômas, criaram uma farmácia baseada na troca de saberes, de tempo, e do fazer. O feminismo campones que elas encontraram, nos mostra como é possível outra forma de viver, e introduzir essas práticas, não significa nao usar a medicina tradicional quando precisarmos, mas significa que não precisamos abandonar saberes ancestrais pra vivermos nos tempos atuais. "O modelo de sociedade proposto pelo MMC se baseia em outros valores que não o capital, o que constitui esse movimento não só como articulação política de luta contra o modelo de desenvolvimento hegemônico, mas também como espaço de construção coletiva de práticas  cotidianas objetivas, como a busca pela produção de alimentos agroecológicos", e uma sociedade que pense em conjunto, e em harmonia com a natureza.

Rede Sustentaoquê?
Monique Brasil Ribeiro
Monique Brasil Ribeiro Seguir

Mamãe ativista, muito preocupada com o mundo que estamos deixando aos nossos filhos! Precisamos respeitar nossas crianças e deixar um legado que não seja somente pasto, plástico e poluição. Falo sobre comida e outras formas de nutrir a vida!!!

Ler conteúdo completo
Indicados para você